Alexis Bledel fala sobre The Handmaid’s Tale!

A atriz Alexis Bledel, que interpreta Emily (ou Ofglen) em The Handmaid’s Tale, falou sobre seu personagem na segunda temporada da série.

Durante a primeira temporada do drama da HBO, Emily se mostrou uma mulher forte e rebelde, onde trabalhou disfarçada para resistência secreta Mayday com o objetivo de derrubar Gilead.

Já nessa atual segunda temporada, Emily é forçada a ir para colônias, no pesadelo radioativo.

Sobre essa mudança do seu personagem para segunda temporada, onde agora tem mais tempo para mostrar a complexidade de Emily, a atriz respondeu algumas perguntas:

Quais foram suas primeiras impressões quando você leu os roteiros da segunda temporada?

“Os roteiros da 2 ª temporada foram emocionantes para ler. Sem o livro como fonte este ano, a maior parte da história era de nossos próprios escritores – embora houvesse alguns momentos do livro que não chegamos à primeira temporada que foram incorporados a esta temporada. Então, foi ótimo ver como isso foi feito. Perguntas sobre o que aconteceu com Emily foram respondidas, mais completamente do que eu poderia ter imaginado, com a inclusão de sua história de fundo, ao lado das cenas nas colônias.”

Foi emocionante ter um vislumbre da antiga vida de Emily nesta temporada?

“Sim, levou algum tempo para envolver minha mente no escopo de sua jornada, mesmo no segundo episódio sozinho. Quase me pareceu uma perda para mim, saber que ela decide fazer justiça com as próprias mãos, sabendo o quão forte ela tem sido até aquele ponto sob uma coação tão grande. Mas logo percebi como parte de sua luta continuada sob aquelas circunstâncias, depois do trauma que ela sofreu, ela chegou a um ponto de ruptura, e assumiu uma missão como se ela fosse uma espécie de soldado vigilante, um lobo solitário.”

Em termos dramáticos, o que você leu na revelação de que Emily era uma bióloga celular em sua vida anterior? Que luz isso derrama sobre o personagem?

“Eu penso muito sobre o jeito que ela está sempre intrigada em sua mente, tentando juntar todas as peças. No começo, quando a encontramos, ela está fazendo isso em nome do Mayday, tentando encontrar diferentes caminhos para a fuga, ou diferentes pedaços de informação que ela pode coletar, em todos os lugares que ela pode ir. Nesta temporada, ela está realmente fazendo isso menos nas Colônias, porque ela sabe que é o fim. Mas seu conhecimento da biologia celular permite que ela cuide dos que estão em pior situação e alivie sua dor em seus últimos dias. É apenas algo que ela sabe fazer. Eu acho que ela preferiria fazer isso, então o que mais ela pudesse. Isso a mantém ocupada.”

Para você, com Emily, qual tem sido o tema ou a linha da temporada?

“Nós a vemos brevemente como uma mãe, tendo que dizer adeus a seu filho, que é um momento muito angustiante para voltar, e uma que ela carregaria com ela durante todo o tempo em Gilead e The Colonies. Tenho certeza de que é uma força motivadora em alguns pontos da verdade realmente torturante de sua vida que ela sempre traz de volta para sua mente e suas emoções. Então, é uma linha que está sempre lá.”

Fisicamente e emocionalmente, Emily é colocada no ringue nesta temporada nas Colônias, um espaço contaminado por poluição e lixo radioativo. Você estava nervosa ou animada para assumir esse aspecto do seu arco e a fisicalidade que isso acarretava?

“Eu amo o desafio do papel. O desafio físico de filmar nas Colônias exigiu apenas um compromisso para resistir aos elementos por uma semana ou mais, ao lado de todas as mulheres que estavam nessas cenas. Houve algum frio, e um pouco de lama, e tivemos um tornado de neve leve um dia para atravessar. Foi um desafio para um dia de atuação, mas não é nada comparado ao que uma serva seria forçada a suportar. Então foi fácil, tendo isso em mente. Era importante descrever os efeitos físicos e emocionais do lugar nas mulheres, da maneira mais completa e sincera possível, para fazer justiça não apenas aos personagens, mas a qualquer mulher que sofresse na vida real. Tivemos que nos colocar um pouco para fazer isso, mas uma semana disso não é nada comparado ao que realmente seria. Também parece muito pior do que na realidade.”

Você pode descrever sua primeira experiência com The Colonies, como foi criada no set?

“Subindo a colina encenada como As Colônias, parecia sombria, como eu imaginava. Mas a escala disso era tão vasta. Quer dizer, o valor da produção este ano foi enorme. Eu não imaginava que partes dele também parecessem idílicas por um lado, enquanto na verdade eram tóxicas por baixo. Essa justaposição torna ainda mais difícil aguentar o tempo de Emily lá. Era fácil imaginar que fosse brutal para ela estar naquele lugar, passando pelo que ela está passando.”

Tem sido difícil habitar o escuro espaço psicológico de Emily por longos períodos?

“Eu sou capaz de me livrar disso, só porque está muito distante da minha realidade, e a história é tão precisamente delineada, em termos do que Emily está experimentando. A maneira como Bruce [Miller] escreve e pode explicar para mim, todas as peças se encaixam em seu lugar. Assim como Emily tentaria entendê-los, ele os alinhou para mim, o que torna isso factível. Também é limitado, o tempo que eu gasto realmente no personagem. É realmente como alguns dias por mês; não é um período prolongado de tempo. Se eu tivesse que fazer isso, acho que seria mais desafiado pela escuridão disso.”

Enquanto você esteve longe de grande parte do elenco principal da série durante a maior parte desta temporada, você passou muito tempo com Janine de Madeline Brewer , uma personagem cuja resposta ao trauma de sua situação não poderia ser mais diferente de Emily.

“Sim, eles são quase como ímãs que repelem. Madeline foi ótima para trabalhar nesta temporada. Ela faz escolhas tão fortes e interessantes como Janine, que são sempre muito divertidas de se jogar. Ela é descontraída e adorável para trabalhar. Mas Janine é tão profundamente interessante. Ela é uma ótima personagem. Parecia que esta temporada, eles estão em total oposição, ela e Emily, e ainda assim formam esse elo. Como eles se conhecem de Gileade, é um alívio ver um rosto familiar.”

No episódio 2, “Unwomen”, você compartilhou cenas convincentes com a atriz convidada Marisa Tomei, que retratou uma mulher desgraçada. O que se destacou sobre a sua experiência com ela?

“As cenas que eu compartilhei com Marissa Tomei foram realmente carregadas com o conflito interno de cada mulher, bem como o fato de que você nunca esperaria ver esses dois personagens interagindo da maneira que eles fazem nesse cenário. Mas de certa forma, há mais liberdade nas colônias. Nos seus últimos dias, quando não estão trabalhando duro, quase tudo vale para essas mulheres. Então, é interessante ver o que sai. Marissa trouxe um peso incrível ao conflito de sua personagem. É quase como se ela estivesse em guerra consigo mesma, enquanto serena e perfeita no exterior.”

Em sua mente, onde está Emily, psicologicamente? Ela tem uma raiva profunda dentro dela e ainda assim demonstra compaixão por aqueles que estão em circunstâncias semelhantes.

“Ela é uma personagem que tem um profundo senso de justiça. Acho que o que ela é capaz de manter com ela é uma verdadeira consciência de que o que está acontecendo com ela, o que aconteceu com ela em Gileade, e o que está acontecendo com ela nas Colônias não está certo. Porque ela sabe que para o seu núcleo, ela é capaz de se agarrar a um ponto central que a mantém fundamentada em alguma coisa. Dito isto, ela foi empurrada para um ponto de ruptura e decidiu fazer justiça com as próprias mãos. Ela é muito frágil, mas por natureza, incrivelmente forte.

Eu acho que nos dois sentidos, ela está tentando fazer tudo certo. Ela está tentando cuidar dos doentes, porque ela sabe que eles não deveriam estar nessa situação. Eles merecem ter algum conforto em seus últimos dias, e ela sabe como fornecer isso, então ela vai fazer isso. E no outro lado disso, ela está distribuindo justiça. Em sua mente, ela está fazendo as coisas certas. Isso é claramente um desvio do ponto de vista de uma pessoa saudável. Ela fez uma escolha que é isso que ela vai fazer, e é assim que ela vai fazer, e é extrema.”

Houve uma cena na 2ª temporada que foi particularmente satisfatória para você?

“Para mim, o flashback que a viu em seu melhor – ensinar, prosperar em sua vida profissional, em sua vida familiar – foi satisfatório. Estava começando a mostrar o quão incrível ela era antes que tudo fosse tirado dela tão brutalmente.”

Enquanto você fez uma ampla gama de trabalhos em cinema e televisão, você ainda é bem conhecido por performances em projetos como Gilmore Girls , que são menos intensamente dramáticos. Tem sido emocionante partir tão decisivamente de papéis dessa natureza?

“É realmente emocionante encarar esse trabalho. Eu sempre procurei o melhor desafio, eu acho, que eu poderia aceitar. Eu não venho produzindo meu próprio trabalho ou algo assim, então eu peguei os trabalhos que parecem mais interessantes do meu jeito. Então isso é incrível para mim.

Esse personagem me dá muito para pensar e analisar enquanto estou trabalhando, o que é realmente recompensador e criativo. Eu amo o desafio disso, e eu definitivamente procuro mais um desafio enquanto continuo. É ótimo ter mais tempo, depois de fazer isso por um tempo, para saber o que é um desafio que você quer enfrentar, isso é certo para você, e o que talvez não seja muito ao seu alcance, ou não tão interessante para você naquele momento. Ser capaz de identificar isso leva tempo, eu acho. Isso fez por mim.”

Fora de The Handmaid’s Tale, há algo específico que você gostaria de tentar como ator?

“Eu penso em coisas diferentes. Eu gosto de peças de época. Eu gosto de voltar no tempo; Eu gostaria de voltar mais no tempo. Eu acho que é um desafio semelhante, no sentido de que você tem muitas camadas para aplicar ao personagem. Dá muito para pensar. Geralmente, estou apenas focado no conto de Handmaid . Mas estou feliz em experimentar uma gama maior de coisas agora, penso eu, do que antes. Mas eu ainda estou vendo o que vem do meu jeito, vendo o que me agarra.”

Séries relacionadas